Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

womanyzing

"What is done in love is done well " Vicent Van Gogh

womanyzing

"What is done in love is done well " Vicent Van Gogh

Ter | 07.06.16

Primeiro mergulho do ano!

womanyzing

Estava a ver que não! Estive uma semana de férias em Maio, pensava que ia aproveitar a praia e veio de lá uma ventania e nada de mergulhos.

Hoje foi, aproveitei folga ( que vão ser poucas estes mês) e lá fui eu até Sesimbra apanhar uns "banhos de sol". Duas coisas que reparei hoje, o protetor solar faz mesmo efeito, até porque me esqueci de por protetor nos pés e apanhei um escaldão. A segunda coisa que reparei é que a luz da praia é lixada... Pensava eu que tinha a depilação em dia... só que não!

Descobri pêlos que não sabia que existiam, marcas que não sabia que tinha, e celulite que... não essa já sabia que tinha, só que finjo que não existe. A luz da praia é mesmo tramada, nos primeiros dias de praia temos duas opções, ou vamos com alguém que sofre do mesmo mal que nós, ou vamos sozinhas. Até porque há defeitos que só nós é que precisamos saber que existem e que são facilmente "apagados" pelo bronze do Verão.

 

13391572_10153673336416538_1615200960077073117_o.j

 

 

 

 

 

 

Dom | 05.06.16

Condutores de Domingo!

womanyzing

Domingo que é Domingo é para passar em casa, a ver filmes e comer “gordices”, no máximo e no Verão é passado na praia e acaba com uma bela caracolada. Domingo é dia de não fazer nada, de não programar nada, de não colocar despertador, a menos que se tenha de trabalhar.

Detesto trabalhar ao Domingo, é um dia para estar com a família, é aquele dia em que muita gente ainda não trabalha e só de saber que há tanta gente sem fazer nada, me irrita ainda mais trabalhar. Outro dos motivos pelo qual me irrita trabalhar ao Domingo, é porque tenho de conduzir até ao trabalho, e como é difícil andar na estrada ao Domingo.

Além dos chamados "condutores de Domingo", que são aquelas pessoas que conduzem uma vez por semana, sem pressa alguma (andam no máximo a 40km/h), andam a admirar a paisagem, e ainda vão abastecer o deposito só para atrasar quem realmente precisa trabalhar, ainda existe um grupo que me irrita tanto ou mais do que estes... os ciclistas!!

São um grupo de pessoas que gosta de se levantar cedo nas folgas para andarem de bicicleta, até aí nada contra, cada um com a sua pancada, mas saibam por favor que não são carros, que embora tenham praticamente o mesmo código da estrada têm de saber comportar-se. Ocuparem a faixa da estrada para irem muito amigos em grupo, não facilita nada. Têm de andar na berma da estrada, em fila indiana e não podem ficar indignados por levar uma buzinadela quando não me deixam passar. Porque eu levantei-me, porque sou obrigada, e tenho de estar na estrada porque tenho de ir trabalhar, por isso saiam da frente… Por favor!!

 

ciclismo.jpg

 

Sex | 03.06.16

"Aguenta filha"

womanyzing

Não podia deixar de comentar a polémica, da senhora que substitui a Maria Helena ás sextas-feiras nas manhãs da SIC, que acha que uma mulher que sofre de violência doméstica tem de dar mais amor ao marido.

Ora bem, na minha modesta opinião, não se pode levar de ânimo leve este tipo de situações, porque quando as pessoas recorrem a um programa de televisão, para pedir "ajuda" para resolverem problemas da sua vida, é porque estão mesmo desesperadas e acreditam que as cartas vão ajudar a resolver os seus problemas.

Não se pode menosprezar os problemas destas pessoas, muito menos mandar "postas de pescada" para o ar,  sem ter noção da repercussão que isso tem nas suas vidas.

"Quando damos violência, recebemos violência", sério? A minha pergunta é... onde é que esta senhora estava com a cabeça para dizer uma coisa destas? Só faltou dizer que esta senhora merece o que está a viver... onde está a empatia? A vontade de ajudar? Como não dizer a esta senhora para largar o traste do marido?

Não se pode brincar com isto, não se pode deixar passar isto em branco, não em pelo século XXI, não depois de todo os esforço feito para que as mulheres ( e alguns homens também), deixem de viver em sofrimento.  Espero também que no fim de toda esta indignação, alguém consiga "ajudar" esta senhora.

 

 

 

Pág. 2/2